No meu primeiro dia em Malta o jantar foi russo

Cheguei em Malta dia 12/03/2011 às 13h20. Assim que saí do desembarque já havia um senhor me esperando com a aquela tradicional plaquinha com meu nome completo. hehehehe Putz, eu tava tão cansada e ansiosa que até esqueci de tirar foto. O senhor que me aguardava era o motorista do transfer que contratei através da escola e me custou 20 euros para percorrer cerca de 12,5 km. Dica importante: só fechei a ida, pois achei mais seguro do que pegar um táxi lá  na hora. A volta fechei em Malta e foi a melhor coisa, pois descobri opções mais em conta. (Saiba mais em Transfer a partir de 7 euros em Malta)

E lá fomos nós rumo a minha nova cidade: SWIEQI. O nome da cidade é em maltês e se fala “Siui” sem o “q” . Aliás , os nomes de cidades e ruas são todos em maltês. Super fácil de memorizar, hein?! Do aeroporto até o hostel, eu e o taxista não conversamos absolutamente nada. Aquele silêncio quase ensurdecedor foi bem estranho, afinal aqui no Brasil taxista adora um bom papo, né?! E eu que em viagens adoro puxar papo com o taxista para descobrir algumas curiosidades locais, nao conseguia nem perguntar o nome dele. Travou tudo naquele momento. =/

Sinceramente minha primeira impressão foi terrível, pois tanto o taxista quanto os atendentes do hostel não foram dos mais cordiais comigo. Além disso, meu inglês básico, não ajudou muito. Em compensação, a galera que morava no meu hostel, era DEMAIS! Cheguei no quarto, deixei minhas coisas e fui fazer umas comprinhas no supermercado que tinha na frente do meu hostel, o Corner Food Store. Depois fui até cozinha do hostel, onde conheci dois russos e dois brasileiro (claro!). Pasmem, no dia que eu cheguei havia 4 brasileiros morando no meu hostel. Ingenuidade minha achar que não encontraria meus conterrâneos por lá, viu?!. hehehehe

Fiquei um tempo papeando com eles e pegando algumas dicas. Eles me disseram como chegar a um pequeno shopping chamado  Bay Street  que fica, em Paceville, uns 15 minutos a pé e tem Mc Donald’s com wifi grátis. E detalhe: você não precisa consumir nada para acessar a rede, basta chegar com seu laptop, sentar e se conectar. Alguém tem dúvidas sobre onde foi meu primeiro almoço? hehehehe Em frente ao Bay Street tem uma loja da Vodafone e já aproveitei pra comprar um chip pré-pago com número local para o meu celular e créditos para internet. Eu não aguentaria sem.

Em seguida, voltei correndo, pois havia sido convidada para um jantar russo no hostel. Meu amigo Dmitri passou a tarde toda preparando uma deliciosa e tradicional sopa russa, chamada Borscht. Uma sopa feita com tomate, cenoura, beterraba, repolho roxo, batata, carne e uma grande colherada de sour cream no prato. Com o friozinho que estava em Malta, foi uma ótima pedida. De sobremesa, a Jo e a Dani (as outras duas brasileiras que moravam no hostel) fizeram brigadeiro. Hummmm que delícia!

Nesse jantar, conheci vários estudantes da minha escola, alguns moravam no hostel, outros não. As nacionalidades deles? Russos, ucranianos, alemães e turcos. Aos poucos, fui perdendo a vergonha e quando vi estava colocando meu inglês básico pra fora. Quer dizer, que eu considerava básico, pois todos eles me disseram que eu entraria no nível pré intermediário. Bom, nada como um vinho e uma vodka para ajudar. hehehehehe

O segredo é não ter medo, nem vergonha de errar, pois os erros ficam marcados e nos ajudam a não esquecer nunca mais. Quer um exemplo? Nessa noite postei uma foto desse jantar no meu Facebook para compartilhar aquele momento com meus amigos no Brasil e escrevi na legenda que estava tomando uma russian soap. hahahahahaa Soap em inglês é sabonete, sabão, sopa é soup. hahahahahaha Pior é que eu sabia, mas na hora de escrever a falta de prática me traiu. Rapidamente uma amiga brincou, “e esse sabão russo é gostoso?”, eu dei muita risada do meu erro e com certeza, não vou me confundir nunca mais. hehehehe

Optei por chegar num sábado, exatamente por isso, para começar as aulas na segunda mais entrosada, adaptada ao ambiente e descansada, afinal jet lag existe!

primeiro dia em malta
Pra quem estava há cerca de 40 horas sem dormir até que eu estava com uma cara boa, né?!

Nem só de festa de rua vive o Carnaval de Malta

E pra galera que prefere ir pra balada do que ficar no meio da multidão, também existem várias festas carnavalescas espalhadas tanto por Gozo quanto por Paceville, o bairro mais badalado de Malta. Nessas baladas a diversão é sempre garantida. E, com certeza, em muitas delas rola até um pouco de música brasileira pra você matar a saudade de casa. mas não se anime muito, pois muitas vezes são umas músicas do carnaval dos anos 90. hahahaha Ah! E Michel Teló você vai ouvir até nos desfiles de Valetta. ¬¬

Algumas dessas festas são pagas, em média 15 euros de entrada. Mas muitas não cobram nada, principalmente as de Paceville.

E como ninguém viaja e leva fantasia na mala, aí vão duas lojas pra ajudar você a se montar:

Fancy That?  Schreiber Street, STJ 3081 San Gilian, Malta. Tel.: 9927-4379

Costume Queens Pjazza President J.F. Kennedy, Victoria, Gozo. Tel.:  9904-2170

O “Spontaneous Carnival” de Nadur

Um outro hot spot do carnaval de Malta é a cidade de Nadur, que fica em Gozo. Durante o dia, as comemorações são bem semelhantes ao que acontece em Valetta, com as tradicionais brincadeiras, competições de dança, etc.

Mas o grande destaque fica para as festas que acontecem a noite por lá. Dizem que é uma experiência única. Uma grande festa à fantasia ao ar livre. Por lá se vê de tudo, das fantasias engraçadas às bizarras. A criatividade e o improviso estão por todos os lados. Por isso se tornou conhecido como “Spontaneous carnival”, pois não tem regras, cada um se fantasia do que quiser e a imaginação permitir. Deve ser divertidíssimo!  Dá só uma olhada nas fotos. hehehehe

[slideshow]

Il Karnival Ta’ Malta 2012

Foto: Malta Culture

Adoraria ter pulado carnaval em Malta, mas infelizmente, quando cheguei por lá a folia já tinha acabado. E desde então passei a me perguntar como seria um típico carnaval maltês?

Nessa época do ano, as ruas ocres da ilha são tomadas por uma explosão de cores e alegria. As festas começam na sexta às 18h e terminam na terça. Este ano, o carnaval maltês aconteceria de 17 a 21/02, mas por conta do mau tempo por lá nesta terça-feira, a festa de encerramento foi cancelada. Assim como no carnaval da Bahia as comemorações acontecem durante o dia todo até a noite. Apesar do carnaval ter um lugar de destaque no calendário maltês, a data não é considerada feriado. As crianças são dispensadas da escola, já os estudantes universitários, não tem a mesma regalia.

Além dos foliões e suas fantasias, o carnaval é marcado por desfiles de carros alegóricos, competição de danças adulto e infantil, barracas de comidas típicas, brinquedos e muito mais. É uma festa familiar, como toda festa maltesa. Pais, mães, crianças e jovens se divertindo por todos os lados.

As comemorações acontecem por toda a ilha, mas os destaques ficam por conta das festas que rolam na capital Valetta e em Nadur, em Gozo.

Valetta

O carnaval em Valetta é marcado pelas competições de danças e desfiles de carros alegóricos que acontecem entre as 9h e as 18h. Diferente dos carnavais do Rio e de SP, em Malta ainda não existe um sambódromo. Tudo acontece num circuito montado pelas estreitas ruas da capital e a cidade que fica no seu entorno, Floriana.  As competições são organizadas pelo Malta Council for Arts and Culture (MCCA).

Fotos: Flickr Peter GrimaAs fotos dos mosaicos acima são do Carnavais de Valetta (2008 e 2010) e foram retiradas do flickr de Peter Grima.

Apesar de algumas semelhanças de organização e produção (guardada as devidas proporções, ok?!) com o carnaval brasileiro, a trilha sonora está bem longe do samba. Durante os 5 dias de folia, o ritmo tocado nas apresentações é a dance music. Para nós brasileiros isso é algo um tanto quanto estranho, né?! Mas olha, que dependendo da música brasileira, é melhor ouvir Black Eyed Peas ou Rihana, hein?! Algumas apresentações são acompanhadas por bandas marciais, sabe aquelas bandas que por aqui só vemos em dia de desfile e parada militar? Então, lá em Malta é super comum você ver esse tipo de banda em festas religiosas, com a diferença que no Carnaval no lugar das fardas aparecem as fantasias.

Foto: Flickr Peter Grima

Também é possível ver apresentações de Maltese folk music com grupos tocando instrumentos que desconhecemos, como na foto abaixo que um dos integrantes está com um instrumento de percussão que tem uma vareta e é chamado “zafzafa“.

Foto: Flickr Nadur Local Council

*”Il Karnival Ta’Malta” significa “O Carnaval de Malta” em maltês.

Aprenda a cantar o hino do carnaval maltês

Gente, esse vídeo é sensacional! A dupla maltesa,  Priscilla Psaila e Kurt Calleja, está cantando L-Innu Tal-Karnival, o hino do carnaval, num programa ao estilo Mais Você. O programa se chama Malta Llejla e a Ana Maria Braga maltesa é Stephanie Spiteri. A música em estilo folk maltês narra alguns costumes do carnaval local. Enquanto eles cantam, tem umas roupas antigas expostas, que devem ter sido trajes utilizados pelos gerações anteriores. Achei interessantíssimo e mega divertido.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=tQSOQvglRic&feature=related]

Bora cantar junto? hahahahaha

Karnival (Maltese)

Perlini u prinjolata
matul il-karnival
dawn huma jiem ta briju
ghall-kbar w ghalina tfal
min jilbes ta xi buffu
min jilbes ta pirat
ilkoll incapcpu u nidhku
hadd ma jkun irrabjat
evviva l-maskarati
evviva l-hmerijiet
ninghqadu llkoll mal-follol
naraw il-karrijiet
viva viva l-karnival
viva viva l-karnival

Carnival (English)

Pine-nut cake and sugared almonds
Coloured like these carnival days,
Full of noise and joy and laughter,
Of young and old with childish ways.

Some will dress as mighty pirates,
Some will dress as funny clowns,
We’ll all clap and laugh together,
No one should be wearing frowns!

So long live the masquerades and
Long live all the foolish deeds!
Let’s all join this crowd of people,
And see the floats parade the streets.

Long, long live the carnival!
Long, long live the carnival!