Os encantos das praias maltesas

Meu sonho sempre foi morar na praia. Acordar cedo, ver o sol brilhar no mar, pisar na areia fofa e branquinha, dar aquele mergulho e começar o dia com as energias renovadas. Mas como eu disse no começo: sonho. E assim permanece. Hehehe Pelo menos não o realizei em Malta. 🙁 Dá pra acreditar que morando numa ilha paradisíaca, meu sonho não se tornou realidade? Parece piada, mas não é! Juro!

Malta tem praias lindíssimas, mas esqueça aquela areia branca fofinha que estamos acostumados a ver pela costa litorânea brasileira. Malta é banhada pelo Mar Mediterrâneo, conhecido por suas águas calmas. Em algumas praias, dependendo da maré, vento, etc., o mar torna-se um espetáculo à parte com águas cristalinas e transparentes num maravilhoso tom azul turquesa. É de babar e não querer mais sair.

Rocky beaches

Em Malta, predominam as rocky beaches, praias rochosas. Pois é, a maior parte da costa maltesa não tem areia. Você deita para tomar sol numa rocha dura e entra no mar como se estivesse numa enorme piscina. Em alguns lugares tem até escadinha para você entra e sair do mar. Já em outros, o negócio é se virar e tomar cuidado pra não se machucar nas rochas. Como os gringos já são mais experientes nesse quesito, eles usam uma sapatilha de borracha. Isso super protege seus pés na hora de pisar naquelas rochas afiadas. Você não imagina como é desconfortável para entrar e sair do mar pelas pedras. Apesar disso, eu fiquei apaixonada pelas paisagens incríveis criadas pelo encontro das rochas com o mar. Além disso, as rochas possibilitam a criação de cenários maravilhosos, repletos de fendas, fissuras e grutas. Um espetáculo de múltiplas saliências da natureza. Ah! E como não mencionar as deliciosas piscinas naturais… Para os que tem medo de nadar em mar aberto e querem apenas se refrescar, essa é uma ótima opção. Em diversos pontos da ilha, é possível encontrar algumas pequenas e “particulares” (dependendo da época e local, é claro!) piscinas naturais, que foram escavadas ao longo do tempo pela força do mar.

Eu quase não pegava praia nas rochosas, então é um pouco difícil escolher uma preferida, de qualquer maneira, eu adorava ficar por perto do restaurante Surfside, em Sliema. Por ali tem umas piscinas naturais deliciosas, além de ser uma área super movimentada.

Sandy beaches

Mas peraí, se você é daqueles que faz questão de rolar na areia, não fique triste, Malta tem poucas, mas boas opçōes para você também. São as sandy beach. Tem algumas praias que a areia é fofa, grossa e dourada. Em outras é mais clara, um branco acinzentado e mais compactada. Para mim, praia de areia tem mais cara de praia, mas tudo nessa vida é uma questão de costume também, né?! Enfim, uma das minhas praias preferidas era de areia,  Ghajn Tuffieha Bay (se pronuncia Ain Tufirrá). O nome é tão fácil que apelidaram a praia de Riviera. hahahahaha

E com tanta opção boa e diferente, você deve estar se perguntando por que eu não realizei meu sonho? A praia mais próxima da minha casa ficava uns 15 minutos a pé e não era uma das minhas preferidas. Como eu tinha aula na parte da manhã, eu teria que levantar bem mais cedo e ainda caminhar até lá. Para ir à qualquer outra praia, eu teria que pegar ônibus, o que tornaria impossível chegar a tempo de assistir aula. Mas não é só o transporte público maltês que não funciona bem, vou ter que confessar, que eu simplesmente não funciono de manhã cedinho, não. Sou mega preguiçosa. Adoro os 5 minutinhos de soneca do meu despertador, que eu aperto umas 3 vezes ou mais até acordar. hehehehe Então, adivinha se eu ia levantar mais cedo, caminhar até a praia pra dar um mergulho no mar e voltar, se eu tinha o chuveiro pertinho pra me refrescar do mesmo jeito? Hehehe

Por tudo isso a renovação da energia foi transferida para o período da tarde e não me arrependo, afinal a tarde eu aproveitava muito mais a praia. 🙂 A única coisa mesmo que eu senti falta nas praias maltesas foi a ausência de surfistas ondas. =P Afinal, o mar mediterrâneo é uma verdadeira piscina gigante e salgada.

Primeiros dias do curso de inglês em Malta

No meu segundo dia em Malta aproveitei para dormir muito. Afinal, precisava estar descansada para o teste de inglês na segunda de manhã. E assim foi. Só saí para dar uma voltinha com as minhas amigas brasileiras no final da tarde pela minha cidade Swieqi. Visitamos outros brasileiros, fomos ao boliche Eden Super Bowl com diversos gringos da escola e por fim um rápido tour pela orla da praia para conhecer o luxuoso hotel e cassino The Westin Dragonara Resort e o bairro das baladas Paceville.

No dia seguinte às 9h em ponto estava na minha escola, Clubclass, para fazer o teste. E os meus novos amigos estavam certos, de 6 níveis, entrei no terceiro, o Preintermediate. Nada mal, né?! =) Antes de Malta, eu havia estudado apenas no colégio e 3 anos antes havia feito 1 ano numa escola chamada Lexical, da Rede Wise up (que me ajudou muito por sinal).

Após o teste, me apresentaram à minha professora Marice. Uma professora maltesa, mas que felizmente não tinha um sotaque muito forte. Eu não era a única novata na minha sala, havia mais alguns novos estudantes. Primeiro o pessoal da sala tentou adivinhar de qual nacionalidade eramos. Foi bem engraçado. Como não sou o estereótipo da brasileira nem da alemã que indicava meu sobrenome, o pessoal chutou e feio. Espanhola, francesa, italiana… Foi engraçadíssimo! Hahahaha Mas logo veio um momento nada divertido, tivemos que nos apresentar ao restante da sala. Também tive que fazer isso na sala do teste. E detalhe: morro de vergonha de me apresentar em português, então você pode imaginar como fiquei vermelha ao ter que fazê-lo em inglês, DUAS vezes. hehehehe

Os primeiros dias, ou melhor, a primeira semana é bastante confusa. Eu entendia o que a professora dizia, mas tinha dificuldade de entender o que os meus amigos diziam, principalmente os coreanos. Contar histórias era um sufoco também! Faltava vocabulário, às vezes palavras básicas, às vezes rebuscadas. Mas eu tentava mesmo assim e aos poucos você relembra umas, aprende outras e passa a se acostumar com os sotaques dos seus amigos, o que facilita compreendê-los. Isso foi uma das coisas que achei ótimo em estudar em Malta, o contato com pessoas de diversos países diferentes, te ajuda muito a compreender diversas nacionalidades falando o inglês.

vida em Malta