Intercâmbio depois dos 30: a tiazona da turma?

Embora eu não aparente ter 32 anos, não vou mentir que uma das minhas preocupações quando pensei em fazer esse intercâmbio foi com o lance da idade. Afinal, todo mundo sabe que a maioria das pessoas fazem isso quando tem 18 e 20 e poucos anos. Portanto eu morria de medo de ser a tiazona da galera. Já pensou? =/

Felizmente, eu me surpreendi. Na minha sala havia mulheres da minha idade e até mais velhas. Tive até uma senhora alemã de 70 anos como colega de turma. hehehehe Mas obviamente, a maior parte da galera da escola tinha 20 e poucos. Confesso que foi bastante divertido e, claro, bom para o ego também, ver a cara de espanto da molecada quando eu revelava minha idade. hehehe Minha flatmate russa, que tinha 22 anos, dizia que nós brasileiros temos a fonte da juventude, pois todos que ela conheceu não aparentavam a idade que realmente tinham. hehehehe (acho que ela tem razão, pois a maioria dos gringos parecia mais velho do que realmente era. Deve ser a nossa alegria de viver!)

E como era conviver com uma galera 10 anos mais nova? Pra mim foi bem tranquilo. Na sala de aula a idade não faz a menor diferença. O que importa por lá é o nível de inglês, né?! Mas no quesito convivência… Ah! Esse eu também tirei de letra. Eu sou uma pessoa bastante sociável, flexível e fácil de conviver. Gosto de conhecer o outro, puxar papo. (como toda jornalista, curiosa, né?! rsrs) A conversa pode ser um grande problema da diferença de idade, mas a gente dá um jeitinho. Assuntos interessantes era o que não faltava, afinal queríamos saber sobre as diferenças e semelhanças entre nosso países. E essa troca era deliciosa. Imagino que você também vai tirar de letra.

O bacana é que eu achava que ia rolar um certo preconceito da galera de 20, do tipo “iiiii lá vem a tiazona”, sabe? Só que muito pelo contrário, em alguns casos rolava até uma certa admiração e respeito. Mas a maioria me tratava como se eu tivesse a mesma idade deles e me queriam sempre por perto. E a gente aprende muito com essa molecada, viu?! Acho que é só não querer bancar a tia ou mãezona experiente e chata. Se eles quiserem conselhos, eles vão te pedir, pode ter certeza. As meninas gostavam de conversar, de se abrir, pedir conselhos, coisas de meninas, né?! Bom, e os meninos… hummm isso deixa prá lá, pois sabe como são os homens, né?! (eles adoram uma mulher mais velha) =P hahahaha

Não seja frustado, viva os teus sonhos!

Enfim, se você, assim como eu, já “trintou” e acha que já passou da idade de fazer intercâmbio, pode começar a arrumar as malas e deixar essa bobeira de lado. Antes da minha viagem, desacreditei na quantidade de pessoas da minha idade que adorariam fazer um intercâmbio, mas não fazem por medo e vivem frustradas. As desculpas para não realizarem este sonho são as mais variadas, mas em sua maioria é por conta da carreira, da família e outros apenas por acharem que não conseguiriam se adaptar a vida de estudante.

O que posso dizer é que não podemos deixar o medo nos dominar. Claro que para mim foi muito mais fácil, pois não sou casada, não tenho filhos, do que para alguém que já tem uma família. Mas acreditem, mesmo assim é possível. Tenho uma amiga que é a casada, tem um filho de 3 anos e aproveitou que foi demitida e se mandou pra Dublin para estudar inglês 2 meses. O marido super apoiou a ideia, pois sabe que isso vai ajudar na carreira dela e no futuro deles. Tem várias histórias de gente que tira as férias e aproveita pra ir pra fora estudar. Eu pretendo fazer isso, assim que tiver férias, sem dúvida. E aí bora viver? Bora pra Malta?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *