No meu primeiro dia em Malta o jantar foi russo

Cheguei em Malta dia 12/03/2011 às 13h20. Assim que saí do desembarque já havia um senhor me esperando com a aquela tradicional plaquinha com meu nome completo. hehehehe Putz, eu tava tão cansada e ansiosa que até esqueci de tirar foto. O senhor que me aguardava era o motorista do transfer que contratei através da escola e me custou 20 euros para percorrer cerca de 12,5 km. Dica importante: só fechei a ida, pois achei mais seguro do que pegar um táxi lá  na hora. A volta fechei em Malta e foi a melhor coisa, pois descobri opções mais em conta. (Saiba mais em Transfer a partir de 7 euros em Malta)

E lá fomos nós rumo a minha nova cidade: SWIEQI. O nome da cidade é em maltês e se fala “Siui” sem o “q” . Aliás , os nomes de cidades e ruas são todos em maltês. Super fácil de memorizar, hein?! Do aeroporto até o hostel, eu e o taxista não conversamos absolutamente nada. Aquele silêncio quase ensurdecedor foi bem estranho, afinal aqui no Brasil taxista adora um bom papo, né?! E eu que em viagens adoro puxar papo com o taxista para descobrir algumas curiosidades locais, nao conseguia nem perguntar o nome dele. Travou tudo naquele momento. =/

Sinceramente minha primeira impressão foi terrível, pois tanto o taxista quanto os atendentes do hostel não foram dos mais cordiais comigo. Além disso, meu inglês básico, não ajudou muito. Em compensação, a galera que morava no meu hostel, era DEMAIS! Cheguei no quarto, deixei minhas coisas e fui fazer umas comprinhas no supermercado que tinha na frente do meu hostel, o Corner Food Store. Depois fui até cozinha do hostel, onde conheci dois russos e dois brasileiro (claro!). Pasmem, no dia que eu cheguei havia 4 brasileiros morando no meu hostel. Ingenuidade minha achar que não encontraria meus conterrâneos por lá, viu?!. hehehehe

Fiquei um tempo papeando com eles e pegando algumas dicas. Eles me disseram como chegar a um pequeno shopping chamado  Bay Street  que fica, em Paceville, uns 15 minutos a pé e tem Mc Donald’s com wifi grátis. E detalhe: você não precisa consumir nada para acessar a rede, basta chegar com seu laptop, sentar e se conectar. Alguém tem dúvidas sobre onde foi meu primeiro almoço? hehehehe Em frente ao Bay Street tem uma loja da Vodafone e já aproveitei pra comprar um chip pré-pago com número local para o meu celular e créditos para internet. Eu não aguentaria sem.

Em seguida, voltei correndo, pois havia sido convidada para um jantar russo no hostel. Meu amigo Dmitri passou a tarde toda preparando uma deliciosa e tradicional sopa russa, chamada Borscht. Uma sopa feita com tomate, cenoura, beterraba, repolho roxo, batata, carne e uma grande colherada de sour cream no prato. Com o friozinho que estava em Malta, foi uma ótima pedida. De sobremesa, a Jo e a Dani (as outras duas brasileiras que moravam no hostel) fizeram brigadeiro. Hummmm que delícia!

Nesse jantar, conheci vários estudantes da minha escola, alguns moravam no hostel, outros não. As nacionalidades deles? Russos, ucranianos, alemães e turcos. Aos poucos, fui perdendo a vergonha e quando vi estava colocando meu inglês básico pra fora. Quer dizer, que eu considerava básico, pois todos eles me disseram que eu entraria no nível pré intermediário. Bom, nada como um vinho e uma vodka para ajudar. hehehehehe

O segredo é não ter medo, nem vergonha de errar, pois os erros ficam marcados e nos ajudam a não esquecer nunca mais. Quer um exemplo? Nessa noite postei uma foto desse jantar no meu Facebook para compartilhar aquele momento com meus amigos no Brasil e escrevi na legenda que estava tomando uma russian soap. hahahahahaa Soap em inglês é sabonete, sabão, sopa é soup. hahahahahaha Pior é que eu sabia, mas na hora de escrever a falta de prática me traiu. Rapidamente uma amiga brincou, “e esse sabão russo é gostoso?”, eu dei muita risada do meu erro e com certeza, não vou me confundir nunca mais. hehehehe

Optei por chegar num sábado, exatamente por isso, para começar as aulas na segunda mais entrosada, adaptada ao ambiente e descansada, afinal jet lag existe!

primeiro dia em malta
Pra quem estava há cerca de 40 horas sem dormir até que eu estava com uma cara boa, né?!

Onde estudar? Onde morar? Quanto tempo?


Quando estamos orçando uma viagem de intercâmbio muuuuuuuitas são as perguntas e as dúvidas. Seja porque você não sabe se o dinheiro vai dar, se vai se adaptar ao país, à escola ou o lugar que vai morar.

A dica mais importante é:  não caia na tentação de fechar com a agência mais barata, só pelo preço.  Antes de qualquer coisa, pesquise muito. Sobre o país, sobre a agência, a escola, os tipos de acomodação e por aí vai. Vá em busca de referências sobre as escolas que cada agência oferece. Procure por pessoas que já fizeram intercâmbio com essas agências, que estudaram e moraram nas escolas e locais orçados. Tudo isso é muito importante para saber se são empresas realmente boas e confiáveis, se está escolhendo o que mais tem a ver com os seus objetivos, com seu estilo de vida.

Hoje em dia, com ajuda do google e das redes sociais, isso é bem fácil. Muitas dicas e informações relevantes eu encontrei nas saudosas comunidades do orkut. hehehehe Apesar da galera ter migrado pro Facebook, o conteúdo gerado permanece lá para consulta. Foi a minha sorte!

E como não se perder no meio de tantos orçamentos e opções? A minha solução foi criar uma planilha. Fiz algumas planilhas no Excel. Como contei no post anterior, fiz uma para a escolha da escola, outra para a acomodação e outra para o seguro de saúde.

Na planilha da escola, fiz uma coluna com o nome da agência, outra para o nome da escola, outra para quantidade de semanas, outra de prós, outra com os contras e por último o valor total.

Na planilha da acomodação e do seguro, segui esse mesmo modelo. Mais adiante contarei o que analisei em cada um deles. Não vou conseguir tomar a decisão por você, mas espero te ajudar a encontrar algumas respostas.

Apesar de ter orçado com diversas agências, eu optei por seguir uma dica que vi numa das comunidades do orkut, fechei diretamente com a escola. Mas isso também é papo pra outro post. 😉

Por onde começar a orçar um intercâmbio?

Por onde começar a orçar um intercâmbio?

Depois de finalmente decidir o destino, precisava começar os orçamentos. Como uma boa produtora que sou, pensei que ia tirar de letra. (abafa a modéstia da moça, né?! hehehe) Mas essa foi umas das etapas mais cansativas e estressantes de todas.

O primeiro passo foi fazer um levantamento de agências que ofereciam pacotes para Malta. Comecei por uma pesquisa básica no nosso velho conhecido Google. Por lá, encontrei tanto as agências mais tradicionais que oferecem pacotes para diversos lugares, como também agências desconhecidas, mas especializadas em Malta. Se bobear, fiz orçamento com todas elas. hehehehe

E foi aí que me deparei com diversas dúvidas. Que dia? Quanto tempo? Tipo de curso? Onde morar? Qual escola? As opções são tantas e a falta de pratica e conhecimento também são enormes. Então, fiz a cliente cricri e pedi que os atendentes me explicassem tim tim por tim, como era cada uma das opções de cursos e acomodações. Aos poucos criarei posts com dicas de cada uma dessas etapas.

Abaixo você confere o nome de algumas agências que oferecem pacotes para Malta, é só clicar no nome que vai direto pro site delas, ok?!

Agências de intercâmbio:

Escolas que possuem escritórios no Brasil:

Por que diabos Malta?

Essa é segunda pergunta que todo mundo me faz. Bom, estudar inglês nos EUA nunca foi meu sonho. Europa, sim. Mas Inglaterra apesar de ter muitos shows e festivais de indie rock que eu amo, também não era a escolha que eu mais queria, afinal eu amo o sol, calor e queria fugir de uma cidade como São Paulo. Irlanda chuvosa demais. Escócia nem passou pela minha cabeça. Para aprender inglês e curtir uma praia me restava Austrália, então, Europa estava fora de cogitação, certo? Errado! Foi aí que acessei um site dessas agências de intercâmbio e dei de cara com uma foto de um lugar lindo, a chamada para o curso dizia algo assim: “Aprenda inglês na Europa num lugar que tem 300 dias de sol”. Eu pensei, nossa que lugar é esse, entrei no link e me apaixonei.

Não era pra menos, né?! Uma ilha paradisíaca no Mediterrâneo, que pertence a União Européia e ainda tem 7 mil anos de história… Foi então que decidi: “É pra lá que eu vou!”

Mellieha Bay
Mellieha Bay